13/10/2009

NOTA BENE: Darwin

Este ano celebram-se os 200 anos do nascimento de Charles Darwin (1809-1882), e os 150 anos da publicação de uma das suas mais importantes obras A Origem das Espécies (1859). Em virtude deste acontecimento, têm sido diversas as obras editadas sobre este cientista do século XIX e a teoria da evolução - cuja autoria é atribuída a Darwin e a Alfred Russel Wallace (1823-1913).

Venho, então, por este meio, divulgar a existência de um livro publicado recentemente (Setembro de 2009) em Portugal sobre esta temática:
Thomas Lepeltier, A Heresia de Darwin: O eterno retorno do criacionismo, Texto Editores, Lisboa, 2009

Thomas Lepeltier é jornalista, historiador de ciências e professor na Universidade de Oxford. Neste livro, aborda a "evolução" do pensamento (e dos conceitos/ideias) transformista e criacionista desde os séculos XVII até ao presente.

Se o leitor pretender saber mais sobre esta temática, sugiro também um livro publicado em 2007:
Augusta Gaspar (coordenação), Evolução e Criacionismo: uma relação impossível, Quasi-edições, Vila Nova de Famalicão, 2007

10/10/2009

PARA SEMPRE: La Mettrie

Sim, o conhecimento [Étude]é um prazer de todas as idades, de todos os lugares, de todas as estações e de todos os momentos”.

in La Mettrie, O Homem-Máquina

09/10/2009

A VER: Em homenagem à microscopia II


PARA SEMPRE: Os antibióticos

"OS ANTIBIÓTICOS NÃO SÃO UMA CURA MILAGROSA".
Custa assim tanto a entrar?

A VER: Em homenagem à microscopia


08/10/2009

VOZES: Em defesa das praias

Do meu amigo António, dedicado há mais de uma década à questão da protecção e manutenção das praias, chegou-me uma reflexão tristemente apropriada ao fim da época balnear 2009.
Passo a citar:


“Somos todos tão bons”
Grândola 26 /09 /2009



No início deste exercício de reflexão, vem-me à memória um texto do José Mário Branco (FMI), em que ele diz “Somos todos tão bons”.

Somos provavelmente um dos maiores Países da Europa, se tivermos em conta aquilo que muitos esquecem: o nosso “território” marítimo, que tem servido para tudo e para nada.

Soube há poucas horas que mais 3 pessoas morreram afogadas sem assistência, na praia da Fonte do Cortiço, no Concelho de Santiago do Cacem. Isto aconteceu, portanto, em plena época balnear, que vai de 01 de Junho a 30 de Setembro –– tal como decretada pelo Instituto Socorros a Náufragos, numa abertura com pompa e circunstancia que decorreu há 2 anos a escassos metros dessa praia agora tragicamente trazida á ribalta. Eu sei, todos sabemos, que depois o que realmente vigora são as regras do mercantilismo, uns porque se assumem como prestadores de serviços mas depois não conseguem cumpri-los, outros porque sempre poupam alguns trocados; e as Entidades coniventes em tudo lá vão “olhando” para o lado e concordam com o que lhes é praticamente imposto. As vitimas essas não têm culpa, pois, é isso, estamos a falar da vida humana, que: Não tem preço mas tem custos.

Tudo isto se resume a uma enorme falácia. O Nadador Salvador, tal como funciona nos moldes actuais, está moribundo, senão mesmo morto. Mantê-lo nos cuidados intensivos é pura perda de tempo. Mais, é um risco objectivo e permanente para os utentes das praias.

Passo a explicar:

Uma formação de cento e poucas horas não é, e dificilmente virá a ser considerada como apta para uma qualquer profissão. A formação académica e a qualificação técnico/profissional são a pedra de toque para uma profissionalização. Desengane-se quem pense contrariar este processo: o curso Técnico/Profissional de salvamento aquático já se lecciona em algumas escolas secundarias e técnicas deste País, credenciado e subsidiado (eu disse bem, subsidiado) pelos Ministérios da Educação e da Segurança Social.

O grande problema é que alguns autistas continuam a insistir no saudosismo do passado. E então fazem-se cursos, reciclagens, associações e federações, pura e simplesmente processos intelectualmente medíocres, para, como dizem os nossos irmãos Brasileiros, “boi ver” –– e, mais grave, para alguns aproveitamentos pessoais.

Alguém poderá ser dizer bem alto que chega de sermos “tão bons”? É preciso dizer BASTA, este modelo de salvamento aquático não serve, está caduco é completamente obsoleto, dê-se para abate, por que razão se continua a travar o inevitável?

Estes quase 900 km de costa merecem técnicos profissionais que o sejam na sua plenitude, e não pouco mais que uns quantos (esforçados) tarefeiros a recibo verde.

Dê-se formação a estes jovens condigna e capaz de os levar á profissionalização, deixem a demagogia de pacotilha, concertem-se os esforços num caminho sério, por favor Nadadores Salvadores e candidatos, dirijam-se ás entidades de formação (Escolas secundarias e Técnicas) para obterem a requalificação de Técnico de Salvamento Aquático, e assim poderão reivindicar a vossa profissionalização.

Não podia fechar esta reflexão sem elogiar a Junta de freguesia de Melides na pessoa do Senhor Presidente e provavelmente mais alguns por cumprirem a lei e assim poderem “deitar” a cabeça na almofada com a consciência tranquila.



António E. Menezes e Cunha
Email: ant.menezes@clix.pt

07/10/2009

AGENDA: Curso Egiptologia

No presente ano, realizou-se o “I Curso livre de História das Ciências da Saúde”, organizado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Como essa foi uma iniciativa bem organizada e de elevado interesse académico, aproveito para divulgar uma outra iniciativa da mesma instituição:

O Centro de História da Universidade de Lisboa, no âmbito da sua linha de investigação Mundo Antigo & Memória Global, organiza o II Curso Livre de Egiptologia, que irá decorrer entre 14 de Outubro e 16 de Dezembro, todas as quartas-feiras, entre as 18:00 e as 20:00, no Anfiteatro III da Faculdade de Letras de Lisboa. Dada a grande procura e o número limite de vagas sugere-se, desde já, a sua inscrição para este Curso Livre.


O Programa e o Boletim de inscrição, disponíveis em: http://www.fl.ul.pt/unidades/centros/c_historia/Biblioteca/iniciativas/II_CL_egiptologia_boletim.pdf (requer acrobat reader para leitura).

05/10/2009

AGENDA: Histórias da Imortalidade


É já em Abril de 2010 que vai ter lugar no Pequeno Auditório da CULTURGEST o ciclo de Conferências Histórias da Imortalidade, cuja filosofia de origem se baseia no texto que segue abaixo. As inscrições abrem dentro de duas semanas.
Ciência que vende jornais:
Sobre a Imortalidade e as suas novas roupagens
A Fonte da Eterna Juventude consta de praticamente todas as narrativas de viagem medievais, assim como a Pedra Filosofal consta de outros tantos manuais de alquimia. Temos connosco um legado riquíssimo, pratico e teórico, de filtros da vida eterna e de poções de imortalidade. Nos nossos dias, acreditámos, uma vez e mais outra, e mais outra, que as grandes vitórias da ciência iam proporcionar-nos um mundo muitíssimo mais agradável, ao mesmo tempo que os milagres da medicina iam oferecer-nos uma vida longa e digna, imensamente gratificante.
Tantas desilusões mais tarde, por que é que continuamos a acreditar num mesmo sonho, que no entanto sabemos ser parte integrante de uma mitologia humana com dezenas de faces? Agora é a clonagem terapêutica com cultura de células estaminais humanas que ai rejuvenescer-nos os órgãos, são as capacidades regenerativas dos répteis ou dos crustáceos que vão ensinar-nos a recuperar intactos de acidentes que de outra forma nos tornariam tetraplégicos, é um cientista português que garante nas notícias da manhã que seremos imortais daqui a cem anos, depois é um cientista americano que afirma que um século é excesso de zelo: mais vinte anos e a imortalidade estará assegurada. Isto, obviamente, vende jornais – e, como tal, prolifera nas capas das revistas, nas páginas centrais da imprensa, nas vozes da rádio, nas entrevistas televisivas (que, significativamente, nunca são debates): esta é a ordem do dia, e quase ninguém está em paz com ela.
Viver mais anos em boa saúde? Óptimo, mas quantos anos, a que preço – e alguém pressupõe que as condições de acesso ao bem-estar vão ser as mesmas em todas as partes do mundo?
E agora, vários degraus acima, quem é que quer mesmo viver para sempre? É verdade que ninguém gosta da Morte. Mas alguém está preparado para a Eternidade?

AGENDA: Science, technology and society

Já está disponível o catálogo da MIT Press Science,Technology & Society para 2010, com uma vasta e rica listagem das publicações que saírão nesta área. De entre numerosos exemplos, cite-se o excelente trabalho editado por Brett D. Steele e Tamera Dorland sobre a engenharia iluminista, The heirs of Archimedes. Para os mais focados nas questões científicas modernas, há a escolher, entre muitas outras aproximações, o celebrado CO2 Rising: the world's greatest enrinomental Challenge, de Tyler Volk, ou o curioso Nanoscale: visualising an Invisible World, de Kenneth S. Deffeyes e Stephen E. Deffeyes. Note-se que este catálogo diz apenas respeito às áreas de Ciência, Tecnologia e Sociedade e, além de nos chegar às mãos em Outubro já com a programação do próximo ano totalmente arrumada e classificada, conta com um total de 149 títulos. Visto das quintinhas universitárias portuguesas, parece um sonho.

ENSAIO: A tentação da miniatura- Parte I

A hipótese da boneca russa: a Revolução Científica e o primeiro conceito de genética


No domínio das Ciências Naturais, a Revolução Científica do século XVII foi profundamente marcada pela entrada em cena do microscópio como instrumento de análise do mundo vivo. Depois de uns primeiros cinquenta anos de estudos pouco gratificantes, marcados por muito poucas publicações referentes a observações extremamente limitadas, as lentes e o entendimento do seu uso evoluíram o suficiente para permitirem uma subsequente explosão de publicações com observações francamente reveladoras, executadas por naturalistas como o inglês Robert Hooke, o italiano Marcello Malpighi, ou os holandeses Jan Swammerdam e Antoni van Leeuwenhoek, entre outros. Este conjunto de observações, além de ter surtido um efeito de grande impacto religioso junto da comunidade letrada do período, deixou claro e inquestionável o que de início não passava de uma hipótese de trabalho sedutora: abaixo do limite de resolução do olho humano, existia, de facto, todo um mundo diminuto que estava tão vivo como o nosso, e como o nosso tão perfeitamente organizado, senão mais organizado ainda. Esta certeza, radicalmente nova, foi a alavanca que permitiu aos naturalistas contemporâneos de Descartes libertarem a reprodução do seu venerando espartilho aristotélico.

De facto, até este período, a explicação preferida para o fenómeno da reprodução não evoluíra muito desde as propostas de Aristóteles no século III A c: dentro do útero feminino, existiria um coágulo de sangue inerte e amorfo, sem qualquer capacidade de organização ou animação internas, mas destinado a fornecer a matéria-prima para a escultura da progenia quando fosse acordado, exactamente como no beijo que o príncipe dá à Bela Adormecida, pela chegada do sémen ao útero depois da cópula. Aristóteles chegara ao ponto de equiparar o sémen à alma, uma vez que nem havia necessidade de contacto físico entre o coágulo materno e a contribuição paterna para desencadear a reprodução embrionária: seria antes um espírito emanado do sémen, a essência que desde então passou a ser descrita como a aura seminal, que animava o coágulo de vida, começava a modelá-lo para vir a formar um feto, e lhe conferia as características da espécie a que pertencia.

A este modelo vitalista e baseado nas forças invisíveis que o espírito da Revolução Científica combatia com a contraposição de modelos físicos e matemáticos compreensíveis e bem estabelecidos, em meados do século XVII o padre cartesiano francês Nicolas Malebranche contrapropõe, logo no início do seu tratado em seis volumes A la Recherche de la Vérité, na secção dedicada à visão e tomando como base de argumentação as recentes descobertas microscópicas, a teoria da Preformação: durante os primeiros seis dias da Criação, Deus, de cada vez que criou o primeiro organismo de cada espécie animal ou vegetal, encaixou dentro dos seus órgãos genitais, todos encaixados uns dentro dos outros e em tamanhos mais e mais diminutos, exactamente como numa boneca russa, todos os organismos das gerações subsequentes que haviam de vir a nascer e viver até à chamada conflagração final, que assinalaria o fim do mundo. Desta forma, toda a vida destinada a existir à superfície da Terra tinha sido criada toda de uma vez, num acto único, já com as suas características perfeitamente definidas, e limitava-se a aguardar pacientemente o sinal de um qualquer despertador também ele pré-programado por Deus para se desenroscar, começar a crescer, ganhar as proporções de um feto típico daquela espécie, e por fim nascer. Ao nascer, esse animal ou planta tinha os seus orgãos sexuais próprios, e dentro deles estavam guardados os organismos da geração seguinte, já com os que se lhes seguiriam enroscados lá dentro, e assim por diante.

Este modelo é extremamente sedutor para o espírito da Revolução Científica devido ao seu carácter estritamente mecânico, sem intervenções de espíritos invisíveis nem fenómenos inexplicáveis; pela possibilidade permitida de explicar a progressão da vida em termos de sequências numéricas e fracções, absolutamente na linha do furor mathematicus ou quantumphenia que varria a Europa; e mais ainda pela sua conformidade com o Deus-relojoeiro de Descartes, que cria o mundo como um mecanismo de relógio perfeito e sem falhas, dá corda ao relógio, desencadeia todos os acontecimentos terrestres, e, a partir daí, nunca mais volta a interferir com a Sua criação. Além dito, a preformação fornecia explicações científicas para mistérios religiosos, e podia até funcionar como um argumento de legitimidade social. Se todos os seres humanos tinham estado encaixados dentro de um ovo primordial, e portanto provinham todos da mesma mãe, tornava-se por fim cientificamente incontornável que todos os homens eram mesmo irmãos, conforme Jesus afirmara. Por outro lado, se todas as gerações tinham sido pre-programadas por Deus, não havia razão para ninguém tentar alterar o seu destino: por vontade divina, os reis descendiam de linhagens de reis, tal como os servos descendiam de linhagens de servos.

Um outro factor explicativo que, no seu tempo, torna a preformação tão sedutora , é a resposta ao problema da continuidade específica, até então sistematicamente sem resposta: como é que cada novo embrião de cada espécie sabe, desde o início, a que espécie é que pertence? Por que é que os coelhos geram sempre coelhos e as avestruzes geram sempre avestruzes? Por que é que nunca nascem crocodilos dos ovos dos pintos, nem rinocerontes da barriga das éguas? Se fora Deus a organizar todo o encaixe, devidamente organizado por espécie, a questão deixava logicamente de se por.

ENSAIO: A tentação da miniatura- Parte II

A hipótese da boneca russa: a Revolução Científica e o primeiro conceito de genética
Temos ainda que ter em conta um outro factor que, na época, tornou a pre-formação perfeitamente aceitável como modelo explicativo para a reprodução: a duração da vida na Terra, na altura consensualmente considerado como de não mais de seis mil anos. Num período tão curto, e sem a noção (ainda a dois séculos de distância, quando se chegasse ao postulado da teoria celular) de que existe um limite inferior de tamanho para a organização dos seres vivos, é concebível imaginar Deus a encaixar uns dentro dos outros organismos cada vez mais pequenos. Se os naturalistas da época tivessem que lidar com o tempo geológico profundo que conhecemos hoje (e que, uma vez mais, só viria a tornar-se consensual em finais do século XIX), certamente teriam mais dificuldade em acomodar o conceito de um encaixe ilimitado. Por outro lado, se a microscopia já tivesse evoluído na época ao ponto de permitir a compreensão de que todos os seres vivos são constituídos por unidades básicas chamadas células, e que cada célula, para poder funcionar, precisa de grandes quantidades de água, de uma qualquer forma de empacotamento da macromolécula do DNA, e de vários organitos, já nunca poderiam dizer, como tão bem sintetizou Charles Bonnet, “A Natureza pode trabalhar em tamanhos tão pequenos quanto lhe aprouver”, e a hipótese do organismo completamente constituído incluído numa escala deslizante para dimensões infinitamente pequenas teria que ser excluída. Foi uma conjugação extremamente interessante de conhecimentos e falta dos mesmos, combinada com as idiossincrasias do período, que tornou a preformação possível.
Quando Malebranche postulou este conceito, o único veiculo conhecido que poderia permitir este encaixe era o ovo. Há milénios que se observava a eclosão de seres vivos de dentro de ovos, fossem de peixes, de répteis, de anfíbios ou de aves. Nos microscópios de Redi, de Swammerdam, ou de Hooke, o ovo do insecto de onde eclodem as larvas também já se tornara conhecido. Já no fim da vida, no seu livro pioneiro Exercícios de Geração Animal, o médico inglês William Harvey, tornado famoso pela descoberta do mecanismo da circulação do sangue aos 44 anos, depois de vários anos passados a observar microscopicamente o desenvolvimento de embriões de pinto e o útero de gazelas grávidas da tapada do Rei Carlos V, postula pela primeira vez com todas as letras Ex Ovo Omnia , “do ovo, tudo”, ou seja, “tudo quanto é vivo provém do ovo. O frontispício da primeira edição, imortalizado em inúmeras reproduções, mostra-nos Zeus a abrir um ovo em cuja parte superior se lê o hoje lendário Ex Ovo Omnia, e de onde estão a sair todas as criaturas que existem no planeta. Foi a primeira afirmação taxativa de que também os mamíferos deviam provir de um ovo, se bem que interno, microscópico, e consequentemente difícil de detectar.
As dificultardes inerentes a esta pesquisa, no entanto, não atrasaram a descoberta por muitos mais anos: em breve o microscopista holandês Reignier de Graaf estava a publicar o seu tratado sobre as partes reprodutivas das mulheres, com observações feitas em cadáveres femininos e em ovelhas, onde o “ovo do mamífero” aparece claramente desenhado nos ovários de ambas as espécies, em vários tamanhos, que de Graaf explica corresponderem a diferentes fases de maturação. Claro que estes “ovos” não eram ainda os ovos propriamente ditos, mas antes as estruturas a que agora chamamos, precisamente, os “folículos Graafianos”: a estrutura de células protectoras, no córtex 0ovariano, que se sobrepõem em torno do ovo em várias camadas concêntricas – e são, consequentemente, muito mais fáceis de detectar e observar com um microscópio ainda muito simples. Encontrar o verdadeiro ovo do mamífero, micrométrico e completamente transparente, revelou-se uma tarefa tão espinhosa que só chegou à sua conclusão definitiva com a vivissecção das cadelas de Ernst van Baer, já na segunda metade do século XIX.
No século XVII, estando agora consensualmente estabelecido que todos os mamíferos provinham de ovos, os primeiros grandes preformacionistas assumiram-se todos, muito logicamente, como ovistas: na sua explicação do modelo reprodutivo, Deus encaixara dentro do primeiro ovo de cada fêmea todas as gerações de todos os organismos que haviam de vir. Alguns eram do século masculino e não participavam na perpetuação das linhagens: o seu papel era antes, através da aura seminal libertada pelo sémen depois da cópula, acordar a miniatura no ovo para que ela se desenroscasse e crescesse. Mas os do sexo feminino tinham ovários, dentro desses ovários estavam ovos, e dentro desses ovos estava preformada a geração seguinte, com a outra geração já preformada dentro dos seus ovos, nos seus ovários.

ENSAIO: A tentação da miniatura - Parte III

A hipótese da boneca russa: a Revolução Científica e o primeiro conceito de genética


O problema é que, estando-se em plena fase de euforia no respeitante á utilização do microscópio, era apenas uma questão de tempo até que alguém observasse uma gota de sémen debaixo das lentes. Isto aconteceu cerca de vinte anos depois do estabelecimento da preformação na sua versão ovista, muito provavelmente no âmbito das observações do microscopista holandês Antoni van Leeuwenhoek. Num desenho enviado para as Transactions of the Royal Academy of Science, Leeuwenhoek apresenta desenhos de vários “Vermes espermáticos” observados em diferentes gotas de sémen, incluindo sémen de galo, de lagarto, de boi, e de humano (que o autor explica ser o seu próprio, obtido “por vias absolutamente naturais”). Estes “animálculos”, aparentemente, estão presentes no sémen de todos os animais, podendo variar a configuração das cabeças mas mantendo sempre o mesmo aspecto vermiforme e as longas caudas, sempre em movimento.

A descoberta do espermatozóide levantou aos preformacionistas uma possibilidade aliciante: por que não mudar o género do portador das linhagens? Por que não considerar que Deus, ao criar o homem, encaixara toda a sua descendência no testículo de Adão, e não no ovário de Eva? Sendo à época a mulher ainda um ser humano considerado de papel secundário e subserviente, esta escolha de Deus parecia ainda mais correcta, e certamente melhor ponderada. Foi assim que apareceram os hoje chamados “espermistas”, que na época se referiam a si próprios como animalculistas: os que defendiam que era dentro da cabeça do “verme seminal” que Deus encaixara toda a progenia de todas as espécies, do princípio ao fim dos tempos. O ovo, neste caso, teria apenas o papel da terra fértil onde se implanta à semente, fornecendo à criatura miniatural que lá entrasse dentro as condições de nutrição e protecção que lhe permitiriam crescer até nascer.

Devido às suas características extremamente curiosas e divertidas, incluindo o seu movimento constante e o seu aspecto de pequeno ser vivo, o espermatozóides foram à época extremamente observados e largamente debatidos, partindo-se sempre do princípio de que constituíam verdadeiros animais. Assim, foram publicadas ilustrações de espermatozóides a dormir, espermatozóides a copular, espermatozóides a nascerem de ovos, sistemas circulatórios, bolbos cefálicos, e até o desenvolvimento do seu tubo digestivo com todos os pormenores.

Dentro deste contexto, não é de admirar que um colega dado a partidas tenha tentado enganar outro. O geógrafo francês François de Plantade, Dalenpatius na literatura, mandou a Leeuwenhoek um desenho das pequeninas criaturas humanas que garantia ter visto dentro do espermatozóide humano, já completamente vestidas, com barbas, chapéu e botas, afirmando que descobrira o fenómeno quando “um deles” nadara até ao cimo da gota e despira a pele que o envolvia., numa analogia nítida com os fenómenos da metamorfose dos insectos. Leeuwenhoek, claro, não se deixou enganar: mandou o desenho para a Royal Society como a brincadeira que era, aproveitando por criticar Dalenpatius pela sua descrição errónea do sistema circulatório do espermatozóide, e chamando a atenção para os erros em que podemos incorrer quando tiramos ilações demasiado apressadas das nossas observações.

No entanto, a semente da ideia mais apelativa de todas ficara plantada: alguma vez conseguiríamos observar o homenzinho minúsculo que estaria dentro do espermatozóide humano? O desenho mais famoso que reflecte este anseio é da autoria de outro microscopista holandês, Nicolas Hartsoeker, e figura das últimas páginas do seu monumental Traité de Dioptrique, sobre as possibilidades das lentes telescópicas e microscópicas. O famoso espermatozóide de Hartsoeker, ao contrário dosa de Dalenpatius, tem a cauda bem proporcionada em relação ao tamanho da cabeça. E, dentro da cabeça, um posição fetal, uma criança com a cabeça ainda muito grande aguarda a sua vez de ser chamada à existência. Ao contrário do que afirmam alguns estudiosos apressados, Hartsoeker nunca afirmou ter observado semelhante criatura: escreveu apenas, ao lado da figura, que era muito provável que, com melhores microscópicas, uma observação semelhante àquela se tornasse possível.

No entanto, passadas as primeiras décadas de euforia espermista, a teoria começou a caiu em desgraça, muito mais depressa que o ovismo. Nesta decadência acelerada, há vários factores que se conjugam.

Em primeiro lugar, os números desencadeados pelo espermismo são incompatíveis com a matemática do século XVII. Há milhares de espermatozóides em cada ejaculado, todos eles muito pequenos, e todos eles, supostamente, com as gerações quer nascerão e viverão até ao fim dos tempos encaixadas na cabeça. O tamanho destas criaturinhas torna-se rapidamente insuportavelmente pequeno, mesmo não se considerando um limite inferior de tamanho para a organização da vida. A certa altura, Hartsoeker decide fazer um cálculo interessante: que tamanho teriam os coelhos que estão agora vivos na Holanda quando estavam encaixados dentro do primeiro coelho que Deus criou? As suas contas, tendo em conta a pequenez do espermatozóide e a velocidade a que se reproduzem os coelhos, levaram-no a que hoje, em matemática da segunda metade do século XX, se chama um “número impossível” ou um “googol”: valores que expressam fracções de valores tão dispares como o tamanho do electrão comparado com o tamanho do universo. Isto, para o século XVII, era pensar o impensável. Atormentado, Hartsoeker escreveu uma frase lindíssima, digna de figurar em qualquer colectânea de citações sobre as aflições do investigador:

“J'aimerais bienm étudier la réporoduction, mais qu'est-ce que l'on peut faire d'une chose qui est envelopée de ténèbres si épaisses?”

Com estas palavras, desistiu de endossar o espermismo, deixou de acreditar na preformação, e nunca mais quis fazer observações microscópicas.

O segundo grande problema do espermismo era exactamente o da natureza animal que os seus progenitores tinham tomado como certa para o veiculo das gerações encaixadas. Eles próprios se referiam ao espermatozóide como “verme espermático”. O termo “espermatozóide” só foi cunhado por van Baer no século XIX, quando se conhecia consensualmente a identidade deste “bicho” como uma célula, e no entanto a associação ao parasita seminal persiste: “espermatozóide” significa qualquer coisa como “animal no sémen”. Agora, estaria a sociedade do primeiro tempo da microscopia pronta para admitir que provinha de um verme? Recordemos que, no século XIX, Charles Darwin provocou um estremecimento tremendo nos pilares da religião e da organização social do seu tempo ao ousar sugerir que o homem descende do macaco. Agora imaginemos, dois séculos antes, ter que admitir que o homem descende do verme. O mesmo verme que nos come depois de mortos, ainda por cima. “Oh que triste metamorfose”, escreveu um comentador da época. E a resistência à nossa origem vermífuga ficou largamente registada em panfletos, ensaios, discursos, cartas e sermões.

O terceiro factor foi provavelmente o mais devastador de todos, porque as suas implicações éticas e morais eram extremamente complexas para uma sociedade inquestionadamente cristã. Se existiam milhares de espermatozóides num ejaculado humano, mas se só um conseguia penetrar no avo (pois que só nascia uma criança de cada vez, no máximo duas), o que é que acontecia a todos os infelizes que não tinham para onde ir crescer e alimentar-se, todos eles já seres humanos em miniatura, todos eles, portanto, com alma? Por que razão havia Deus de criar milhares de seres humanos para depois os matar antes mesmo de nascerem? Não fora este mesmo Deus quem castigara Onan logo no início do Livro do Génesis pelo grave pecado do desperdício da semente? E, afinal, para cada geração, admitia a ocorrência de um verdadeiro massacre de inocentes? É evidente que os espermistas estiveram debaixo de fogo cerrado para resolverem este problema, porque todos eles se pronunciam a este respeito. Alguns, como Leeuwenhoek, tentam desdramatizar a comoção recordando-nos que a Natureza é pródiga em tudo o que faz, e também cria centenas de sementes nas maçãs para delas, se tanto, nascer uma nova macieira. O problema é que as maçãs não têm alma. Hartsoeker tenta descrever um cenário em que todos os animálculos que não conseguissem entrar no ovo perderiam os seus revestimentos externos, tornando-se extremamente leves e quase incorpóreos, flutuando depois no ar até conseguirem voltar a entrar para dentro do corpo de um animal da sua espécie. Se fosse um macho, desceriam até aos testículos, recuperariam os seus revestimentos, e tentariam uma nova oportunidade. Se fosse uma fêmea, voltavam a abandonar o organismo por qualquer orifício acessível. Nalguns casos podiam confundir-se sobre o género que os albergava, resultando daqui o nascimento de hermafroditas. Outros autores congeminam cenários semelhantes, uns mais criativos do que outros, mas todos vocacionados para tranquilizar as hostes com a garantia de que não há qualquer espécie de massacre de inocentes. Claro que nenhuma destas explicações foi particularmente bem sucedida, e o espermismo começou rapidamente a perder a adesão.

A VER: Em homenagem a Gary Larson


NOTA BENE: The Mind Has no Sex?

The mind has no sex?, de Londa Schiebinger, foi publicado pela Harvard Press já em 1991, e continua à espera de um editor português suficientemente ousado para querer levantar entre nós as questões que a maioria dos portugueses ainda desconhece -- nomeadamente, no caso vertente, toda a gama riquíssima de material publicado nas duas últimas décadas no âmbito dos chamados women studies (tendencialmente varridos antes para debaixo do tapete, já que a história foi escrita por homens, e não por mulheres). Um bom exemplo do interesse deste tipo de publicações são os debates que nelas encontramos e de que nunca nos lembraríamos -- a saber, por exemplo: que sexo tem a alma? Consensualmente, até à Revolução Científica, parte-se do princípio de que todas as almas são masculinas, já que depois de mortos seremos perfeitos, e a perfeição é a masculinidade. Santo Agostinho, pelo contrário, defende que as almas, ao perderem o corpo que as contém, perdem também as caracteríticas sexuais, pelo que todas são assexuadas. Já Tomás Aquino defende uma posição diferente, ao sustentar que a alma não perde o sexo , mas, no caso feminino, o sexo perde a definição: as almas das mulheres são femininas, mas, como não podem executar a função natural da mulher -- engravidar -- perdem a feminilidade.

PARA SEMPRE: Pascoaes

"O homem é o espaço e o tempo. Os outros animais são apenas o espaço."
Teixeira de Pascoaes

APELO DA SELVA: Sobre o Xenopus

SEMPRE SE CONHECE MAIS GENTE
A rã é sul-africana. Ao contrário do que caracteriza a nossa imagem das suas congéneres, não coaxa: é muda. E não tem culpa nenhuma de se chamar Xenopus laevis. Provavelmente terá outro nome, em zulu, ou em ronga, mas os comunidade científica internacional nem quis saber: agarrou no nome científico do bicho e transpô-lo, assim mesmo, para as bancadas dos laboratórios. Hoje há quem tenha aquários com eles em casa porque os seus olhos de pérola são encantadores e as suas mãos espalmadas de dedos em garra são muito queridas, mas o animal de estimação não deixou de chamar-se Xenopus com a mudança de estatuto. O nome dele vale 65 pontos num jogo de Scrabble.
O que se segue é a demonstração de como os modelos científicos nos são úteis, em três entradas de escala de interesse crescente.
1 – UM XENOPUS SERVE DE TESTE DE GRAVIDEZ
Basta qualquer mulher injectar um bocadinho de urina por baixo da pele de uma fêmea de Xenopus. Se a mulher estiver grávida, a rã começa logo a ovular.
2 – VÃO ENSINAR-NOS MAIS SOBRE O AUTISMO
Alguns laboratórios começaram recentemente a fundir ovos de Xenopus com células cerebrais de autistas mortos. Estes modelos compostos são úteis porque mantêm os neurónios a funcionar como se ainda estivessem num cérebro humano, mas a parte anfíbia que diz respeito ao ovo não responde a todas as substâncias químicas e aos neurotransmissores que estão a ser testados.
3 – SEMPRE SE CONHECE MAIS GENTE
Atenção que o planeamento da 13th International Xenopus Conference de 2010 já começou. Sempre é uma maneira original e criativa de conhecer mais gente.

FACTÓIDE: A visão da coruja

O que um humano vê com uma vela acesa, a coruja vê como se estivesse em plena luz do dia.